Técnicos/ás da Experiência na pobreza e exclusão social (ex-peritos de Experiência)

 

 

O início do conceito

"O conceito ‘perito de experiência’ (ervaringsdeskundige) terá sido utilizado nos Países Baixos pela primeira vez no Diário ‘De Volkskrant’ de 5/11/1994, definindo o perito de experiência como ‘uma pessoa que adquiriu a sua autoridade na base da sua experiência e não na base da aquisição sistemática de conhecimentos’. No dicionário neerlandês Van Dale de 1999 encontra-se a definição: ‘alguém com muita experiência num determinado terreno’. Exemplo: um perito de experiência no terreno da anorexia é alguém que teve (ou ainda tem) anorexia e que desta forma sabe muito sobre este assunto. Uma definição mais completa […] encontra-se no Decreto de 21/3/2003 do Governo Flamengo em relação a Luta contra a Pobreza. Este Decreto proporciona a base legal para a criação do emprego de Perito@ de Experiência formado na área da pobreza e da exclusão social. A definição ‘do perito de experiência’ no Decreto de 21/3/2004: ‘Pessoa, que experienciou a pobreza, que refletiu sobre e equacionou esta vivência e a enquadrou e que, através duma formação, adquiriu atitudes, competências e metodologias para aplicar, duma forma cabal, a sua experiência da pobreza equacionada num ou mais sectores da luta contra a pobreza’” (In: Meerschaert, G. (2004).

Apesar da expressão de Peritos da Experiência não fazer parte do uso comum, acreditamos que a ACMJ foi informalmente formando PE’s desde a sua criação, nos anos 80.

Nos anos 90 investimos na formação dos residentes, na cooperação entre Peritos da Experiência e Técnicos e na reflexão sobre os desafios de trabalhar com diferentes tipos de conhecimentos. Desde 2000, a capacidade de recrutar profissionais de diversas áreas aumentou substancialmente. Alguns dos ex-PE’s foram contratados para trabalhar no Moinho como Técnicos, e a maioria permaneceu durante 5 ou mais anos.

A formação experiencial, a participação em cursos de formação profissional e o facto de alguns PE terem adquirido o estatuto de técnico, proporcionou uma evolução na qualidade do trabalho dos Corpos Gerentes e funcionários em geral. Em 1998 a ACMJ foi certificada como uma instituição de formação pelo Instituto de Qualidade e Formação (IQF).

Em 2004 foi iniciado o projeto "DiverCidade", no âmbito do programa EQUAL, financiado pela Comunidade Europeia. Um grupo de trabalho foi criado com o objetivo de desenvolver uma formação profissional de Peritos de Experiência. Esta formação foi baseada no modelo belga, para a formação EE.

Em 2006, após a aprovação do projeto URBAN II promovido pela Câmara Municipal da Amadora, foi possível testar uma primeira abordagem à formação formal de Peritos de Experiência. Iniciámos com dois cursos de formação, que duraram seis meses cada. Isto resultou numa parceria entre o projeto URBAN II, o "projeto DiverCidade" e ACMJ como o executor das atividades de formação.

Muitos dos formandos destes cursos trabalham agora como Técnicos, tanto no Moinho como em outros centros de trabalho.

É também de salientar a intervenção no Programa 2007-2011 da Cova da Moura "Operações de Qualificação e Reinserção Urbana de Bairros Críticos", no âmbito da Resolução do Conselho de Ministros n. º 143/2005, de 7 de Setembro. Foi aprovado um centro de formação para PE, sob a responsabilidade da ACMJ, bem como a integração deste trabalho profissional em diversos contextos de trabalho.

 

ANQ: Técnicos da Experiência em pobreza e exclusão social

Desde 2009 que a ACMJ está a desenvolver o Perfil Profissional e o Referencial de Formação do Perito de Experiência para aprovação pela Agência Nacional de Qualificações ANQ a incluir no Catálogo Nacional de Qualificações. (http://www.catalogo.anq.gov.pt/SobreCatalogo/Paginas/SobreCatalogo.aspx). Por recomendação dos técnicos da ANQ, a expressão “Perito de Experiência” deverá ser substituída por uma outra, mais esclarecedora, do âmbito e natureza desta nova profissão. A proposta que a ACMJ irá apresentar será a de “Técnico da Experiência em Pobreza e Exclusão Social” que irá incluir uma formação de dupla certificação que confira aos formandos o 12º ano de escolaridade e o nível 3 de qualificação.

 

 

Missing Link

O projeto europeu The Missing Link, financiado pelo programa Leonardo da Vinci, pretende promover a partilha de conhecimentos entre os parceiros sobre a formação e integração profissional de Peritos de Experiência (PE), e ainda desenvolver, testar e avaliar 4 produtos de suporte à formação de PE e 3 produtos para dinamizar a integração de PE no mercado de trabalho.

Funcionamento:

Estrutura
7 Organizações parceiras sediadas nos seguintes países: Alemanha, Bélgica, Bulgária, Holanda (2), Hungria e Portugal.
Duração de 24 meses - Setembro de 2009 a Agosto de 2011.
Cada parceiro tem dois representantes que irão participar nas reuniões de trabalho do projeto e dinamizar as atividades contratadas na sua organização.

Atividades
Realização de sete reuniões de trabalho em cada um dos países parceiros.

Em cada uma das reuniões realizar-se-á um encontro com outras organizações do país, com o objetivo de se divulgar o trabalho desenvolvido no âmbito do projeto.

Objetivos gerais:

ØDesenvolver e fortalecer a colaboração entre os parceiros;

ØRealizar as atividades previstas dentro dos prazos estabelecidos.

Para saber mais: http://www.themissinglinkeurope.eu/

Notícias